Miguel Frasquilho defende o obvio.

Parece que só Pedro Passos Coelho é que ainda não viu a evidência. Dois ilustres militantes, Miguel Frasquilho e e Eduardo Catroga vieram a terreiro defender a concessão de mais tempo e a flexibilização das metas orçamentais que deverão ser atingidas no âmbito do memorando de entendimento com a “Troika”. No entanto e no que ao tempo diz respeito, estes dois ilustres do PSD vão ainda mais longe do que a posição defendida pelo Secretário-Geral do Partido Socialista que tem defendido um ano de prazo adicional, ao defenderem o alargamento para dois anos.

O único búlisis desta questão é que estão a deitar por terra o ponto de honra do Primeiro-Ministro: “Nem mais tempo nem mais dinheiro, ou qual seria a imagem que estaríamos a mandar para os mercados?”… Parece que a imagem que estamos a mandar para os mercados é a de que temos um Primeiro Ministro teimoso, apostado no orgulhosamente sós e completamente desligado da realidade… Parece o S.r Esteves…