Na internet somos outros.

Anonimato Internet

Depois dos mais recentes acontecimentos envolvendo trolling na internet voltou à baila o alter-ego que todos nós assumimos quando estamos num relacionamento alheio e em que temos um computador a mediar a nossa relação. Vários estudos agora revelados assumem que todos ficamos mais desinibidos quando assumimos as nossas identidades digitais. Talvez seja essa a justificação para frases que de qualquer outra forma não fazem qualquer sentido, como “Morre, toda a gente ficará feliz.” ou “Se as tuas amigas sobreviveram a uma violação, é porque não foram bem violadas.”

Este tipo de linguagem, que despoleta comportamentos mais radicais em quem ainda não tem os filtros suficientes para poder relativizar estas informações face ao contexto em que são utilizadas. No mundo offline, as interacções do nosso dia-a-dia caracterizam-se por termos um feedback imediato. Na Internet, não há esse feedback, há uma maior sensação de liberdade”. Mas ressalva que, apesar de um “maior descuido” no mundo online, “o que acontece na Internet é o que acaba por acontecer na vida real.

O simples facto de a internet ser um meio mais anónimo e sem forma de rastrear os contactos que não seja os IP’s não faz com que o nossos atos fiquem impunes e sem consequências, pelo contrário, apenas as mistificam e podem aumentar.