Call of Duty não representa vida de militares

A série Call of Duty começou por ser uma representação bastante realista da guerra, num ponto de vista dos soldados, desde os equipamentos, gameplay, missões…. Mas com o tempo, o jogo tornou-se cada vez mais “Hollywood”, e isso pode muito bem ser visto no Call of Duty: Ghosts.

Agora, o produtor executivo da Infinity Ward e o CEO da Activision, contam que existe um motivo para isso: o objectivo do jogo não é representar a vida real dos soldados.

Call of Duty

De acordo com Eric Hirshberg e Mark Rubin, por mais que eles tenham ajuda da parte de militares, na série Call of Duty não querem replicar a vida exacta dos soldados reais, porque o objectivo dos produtores é criar uma experiência cinematográfica, divertida, evitando tornar-se num simulador de guerra.

Esta maneira de desenvolver jogos, é bem diferente daquela utilizada pela Electronic Arts na série Medal of Honor, que tentou trazer o realismo do campo de batalha para o jogo.