Depois dos carros… os barcos!

A marinha norte americana está a testar a utilização de conjuntos de barcos não tripulados operados de forma autónoma para vigiar e confrontar outros barcos. Estes barcos atuam segundo algoritmos que tentam reproduzir os comportamentos de enxames de abelhas e de formigas. Este software foi originalmente desenvolvido para o veículo de exploração marciana e agora adaptada a aos veículos de operações da marinha. Os testes estão a ser desenvolvidos com três tipos de embarcações: barcos de sinalização visual, barcos de sinalização sonora e barcos armados que atuam em conjunto para dissuadir ameaças. A utilização deste tipo de soluções permite, por um lado, verificar de forma automática problemas mais permanentes como é o caso da pirataria na Somália ou o tráfico nas fronteiras marítimas dos países desenvolvidos e também situações mais perigosas, na qual permitirá a salvaguarda de vidas humanas ao serem retiradas do perigo das armas.

Num dos testes já realizados pela marinha norte-americana, foi simulado um encontro com um navio não-identificado. Após ter sido detectado por um helicóptero, foi emitido um aviso à pequena frota que, em jeito de resposta, se dirigiu imediatamente ao encontro da ameaça. Os barcos procederam depois a contornar o navio, em forma de círculo.

À semelhança da utilização de outros veículos não tripulados, põe-se sempre uma grande questão: Será mesmo boa ideia dar armas e a possibilidade de as usar a uma máquina? Veja um vídeo destes testes aqui.