Em 2024 os aviões não vão ter janelas!

A proposta chega-nos do britânico CPI (Center for Process Inovation) e tem como objetivo último a substituição da fuselagem de um avião por ecrãs de alta resolução que poderão transmitir para dentro do avião imagens pré determinadas daquilo que se passa fora do aparelho. A proposta ganha verosimilhança quando propõe um maior nível de entretenimento para o passageiro, se propõe também a diminuir o peso do avião e, consequentemente, o consumo de combustível e as emissões de gases nocivos para a atmosfera.


 

As imagens do Centre for Process Innovation (CPI) são impressionantes. Podem ser inicialmente assustadoras para quem não gosta de andar de avião ou sofre de vertigens mas há que interiorizar que tudo o que se vê é virtual. Nas partes laterais e em quase todo o tecto da cabine as placas são substituídas por ecrãs de alta definição, criando um ambiente de entretenimento tanto para quem viaja junto à janela como para quem vai nos lugares junto ao corredor. Além dos ecrãs, o projecto do CPI propõe uma alteração da iluminação a bordo para que o efeito seja reforçado. O CPI explica que os ecrãs “ultra finos, muito leves e flexíveis são integrados na fuselagem e nas traseiras dos bancos sem caixas feias, desajeitadas ou pesadas”, isto para quem viaja nos lugares do meio ou junto ao corredor. Segundo o centro britânico, todas estas características ajudam a diminuir o peso do avião.

Só não estou a perceber que num jumbo de 500 ou 800 pessoas, todas queiram ver as mesma imagens, uma vez que, ao ser retirada a inevitabilidade das janelas, o que seria mostrado seria determinado pela vontade humana… Mas de quem? Espreite aqui os vídeos do CPI.