Frio? Qual frio?

Numa altura em que nordeste dos Estados Unidos paralisam por uma histórica tempestade de neve, que despejou toneladas de neve e paralisou Nova Iorque, surge na notícia da vida nas regiões remotas da Rússia que podem suportar temperaturas de -52º e a vida seguir com toda a normalidade, com escolas e transportes públicos a funcionarem normalmente.

Em Oymyakon, na Rússia, a poucas centenas de quilómetros do Círculo Polar Ártico, em janeiro, a temperatura média ronda os 36º Celsius negativos e os cidadãos são obrigados a ter cuidados extremos. Os funcionários das estações regionais de fornecimento de gás, por exemplo, trabalham duas semanas e têm de parar outras duas. As estações de gás são “essenciais” para garantir que a economia não para, apesar das condições adversas.

E agora? Ainda tem a mesma sensação de frio?