Morrer num avião é tão improvável como ganhar o Euromilhões… Mas acontece.

Quem já teve a oportunidade  de andar, já está concerteza familiarizado com aquela sensação de pouco controlo que se sente dentro de aviões que diariamente cruzam os nossos céus. Isto porque todos os controlos e ferramentas de vôo estão distantes da percepção dos passageiros e também porque frequentemente as tragédias que os mass média nos apresentam são relacionados com desastres de aviação e pouco se liga a outros tipos de acidente, como é o caso dos acidentes rodoviários.

Basta pensarmos em dois números: a probabilidade de morrermos quando apanhamos um avião é de 0,000014%. Parece uma probabilidade baixa. É uma probabilidade muito baixa: a hipótese de ganharmos o euromilhões apostando apenas dois euros, isto é, fazendo uma só aposta, e sair-nos o prémio máximo é de 0,000013%. Exato. Quase o mesmo número. Todas as estatísticas disponíveis vão no mesmo sentido. Viajar de avião é mais seguro do que fazê-lo de carro, de mota, de bicicleta, até de comboio. Vejamos mais alguns números: a taxa de morte das linhas aéreas comerciais é de 0,003 mortes por 100 milhões de passageiros/milha. Para os comboios essa taxa é de 0,06; para os autocarros é de 0,05; para os automóveis é de 0,61.

Esperamos que não aconteça… Mas acontece, como hoje nos Alpes franceses. Esperamos que os responsáveis aprendam com mais este acidente. Mas tenhamos a certeza que, em qualquer outro meio de transporte seria mais provável de acontecer.