Escuta do “Face Oculta” poderá ser usada para acusar Sócrates de corrupção

José Sócrates terá sido confrontado, no terceiro interrogatório de que foi alvo, com uma escuta telefónica realizada no âmbito do caso “Face Oculta” e que poderá servir de indício para o Ministério Público o acusar de corrupção.

A gravação terá sido feita quando o primeiro era vice-presidente do BCP e o segundo secretário de Estado do Desporto, conforme adianta o CM, notando que Vara foi “apanhado” a tentar convencer Laurentino Dias para, através de Sócrates, pressionar a Caixa Geral de Depósitos a financiar o Autódromo do Algarve.

Na escuta, Vara assumirá que se tratava de um projecto “irracional do ponto de vista económico” e um “sorvedouro de dinheiro”, segundo citação do CM.

Os investigadores da “Operação Marquês” poderão usar estes dados como “prova” numa possível acusação de corrupção contra o ex-primeiro-ministro, no âmbito das suspeitas em torno do empreendimento turístico de Vale de Lobo, no Algarve.

O Ministério Público continua, nesta quarta-feira, a maratona final de interrogatórios na “Operação Marquês”, com nova audição de Sofia Fava, a ex-mulher de Sócrates.

A defesa do ex-primeiro-ministro alega que o prazo do inquérito já terminou e que está à espera do despacho de arquivamento do processo.

A Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, impôs ao Ministério Público a data de 17 de Março, ou seja, a sexta-feira que se aproxima, como o limite para a dedução de acusação.

Conheça aqui as restantes escutas do processo